Conhecimento sensível e conhecimento inteligível

Saber

Primariamente, o conhecimento de um dado objeto ou fato é objetivo e impessoal. Secundariamente, o conhecimento de um dado objeto por um sujeito cognoscente é subjetivo e derivado.
O conhecimento objetivo é uma técnica para a verificação de um objeto qualquer, ou a disponibilidade ou posse de uma técnica semelhante. Uma técnica de verificação é qualquer procedimento que possibilite a descrição, o cálculo ou a previsão controlável de um objeto. Objeto é qualquer entidade, fato, coisa, realidade ou propriedade. Técnica, portanto, é o uso normal de um órgão do sentido tanto quanto a operação com instrumentos complicados de cálculo, estes procedimentos permitem verificações controláveis. A controlabilidade dos procedimentos de verificação, sejam eles grosseiros ou refinados, significa a repetibilidade de suas aplicações, de modo que um dado conhecimento permanece como tal só enquanto subsistir a possibilidade da verificação. O conhecimento de x significa um procedimento capaz de fornecer algumas informações controláveis sobre x, isto é, que permita descrevê-lo, calculá-lo ou prevê-lo em certos limites. Conhecer x significa que sou capaz de pôr em prática procedimentos que possibilitem a descrição, o cálculo ou a previsão de x.

Conhecimento sensível

É o conhecimento obtido através dos sentidos – visão, audição, olfato, tato e paladar.
Este conhecimento pode ocorrer numa experiência (emperia = experiência) particular de um indivíduo com um objeto, por exemplo, ao comer uma maçã um indivíduo conhece a maçã. Através de seus sentidos ele pode dizer: ‘Esta maçã é doce.’, ‘Esta maçã é macia.’, etc.
Num diálogo entre dois indivíduos, pode ocorrer o conhecimento entre ambos. Daí podem surgir proposições do tipo: ‘Fulano é uma pessoa educada.’, ‘Beltrano é muito ansioso.’, etc.
É importante observar que nos dois casos supracitados, as proposições são fruto de experiências subjetivas; por isso estas proposições são chamadas de ‘opiniões’ (doxa)
Vários problemas existem em relação a estas opiniões:
. Para qualquer indivíduo a maçã é doce e macia?
. Para qualquer indivíduo Fulano é uma pessoa educada e Beltrano é ansioso?

Conhecimento inteligível

É o conhecimento obtido através do intelecto (pensamento, intuição intelectual).
Uma pessoa leiga (não cientista) sabe da existência das células-tronco através de uma reportagem científica mostrada numa revista ou pela TV, onde a comunidade científica descreve as propriedades das células e os efeitos que elas causam em um organismo. Mesmo sem ter visto uma célula-tronco e nem o modo como ela funciona, damos crédito ao conhecimento a nós passado pela comunidade científica.
Este tipo de conhecimento é objetivo (não subjetivo), ele comum a qualquer pessoa. Os filósofos gregos o denominaram de episteme (opinião verdadeira)

Os antigos consideravam o conhecimento como identificação, ou seja, conhece-se um objeto porque há semelhança entre os elementos do conhecimento e os elementos dos objetos.

1. Os pré-socráticos exprimiram-se com o princípio de que ‘o semelhante conhece o semelhante’.
Disse Empédocles: ‘Conhecemos a terra com a terra, a água com a água.’
Disse Heráclito: ‘O que se move conhece o que se move.’ Para Heráclito a realidade era a harmonia dos contrários, que não cessam de se transformar uns nos outros. Como então percebemos as coisas como duráveis? Respondendo a esta pergunta, Heráclito conclui que os sentidos nos mostram as coisas enquanto duráveis, mas o nosso pensamento conhece como as coisas são de fato, estão em mudança permanente.
Parmênides pensava o oposto de Heráclito, para ele só é possível pensar o imutável, o idêntico. Perguntava ele, como pensar aquilo que muda? Como pensar aquilo que passa a ser o contrário do que era?
É importante observar que tanto para Heráclito quanto para Parmênides perceber e pensar são coisas diferentes. Para Heráclito os sentidos oferecem a imagem da estabilidade e o pensamento alcança a verdade como mudança contínua. Para Parmênides, percebemos mudanças impensáveis e devemos pensar identidades imutáveis.
Para Demócrito, a realidade é constituída por átomos (partículas indivisíveis) e somente o pensamento pode conhecer os átomos, que são invisíveis para nossa percepção sensorial. Ele dizia que podemos conhecer pelos sentidos mas este conhecimento não é tão profundo quanto o conhecimento pelo puro pensamento.

2. Sócrates e os sofistas
:
Para os sofistas (Protágoras, Gorgias, Hípias – sofistas mais destacados) não podemos conhecer a realidade, só podemos ter opiniões subjetivas sobre ela. Isto porque há pluralidade e antagonismos quanto a realidade. Já que podemos só ter opiniões, a linguagem passa a ser a melhor ferramenta para tratar da realidade e persuadir os outras de suas próprias opiniões e idéias. Assim a verdade é uma questão de opinião e de persuasão, e a linguagem é mais importante do que a percepção e o pensamento.
Para Sócrates a verdade pode ser conhecida afastando as ilusões dos sentidos e as ilusões das palavras ou das opiniões e alcançar a verdade apenas pelo pensamento. Conhecer é passar da aparência à essência, da opinião ao conceito, do ponto de vista individual à idéia universal.

3. Platão

Conhecer significa tornar o pensante semelhante ao pensado. Deste modo ele estabelece uma correspondência entre ser e ciência, que é o conhecimento verdadeiro. Conhecer é estabelecer uma relação de identidade como o objeto em cada caso, ou uma relação que se aproxime o máximo possível da identidade. Platão distinguiu os seguintes graus do conhecimento:
suposição ou conjectura, que tem por objeto sombras e imagens das coisas sensíveis.
a opinião acreditada, mas não verificada, que tem por objeto as coisas naturais, os seres vivos e o mundo sensível.
razão científica, que procede por via de hipóteses e tem por objeto os entes matemáticos.
inteligência filosófica, que procede dialeticamente e tem por objeto o mundo do ser.
Para Platão os dois primeiros modos devem ser afastados da Filosofia pois são conhecimentos ilusórios, aparentes. Os dois últimos são válidos para o conhecimento verdadeiro. O conhecimento matemático é puramente intelectual e não devem nada aos sentidos e não se reduzem a meras opiniões subjetivas. O conhecimento matemático é a preparação para a intuição intelectual das idéias verdadeiras, que constitem a verdadeira realidade. Platão diferencia e separa radicalmente duas formas de conhecimento o conhecimento sensível (crença e opinião) e o conhecimento intelectual (raciocínio e intuição), somente o segundo alcança o Ser a verdade. o conhecimento sensível alcança a mera aparência das coisas, o conhecimento intelectual alcança a essência das coisas, as idéias.
Na Alegoria da Caverna, Platão descreve a educação do filósofo, que passa do conhecimento sensível para o conhecimento inteligível. Ele procura mostrar a superioridade do conhecimento inteligível em relação ao sensível. O primeiro é o conhecimento daquilo que é real e o segundo é o conhecimento das aparências.

4. Aristóteles

No conhecimento sensível, o conhecimento em ato é idêntico ao objeto. No conhecimento inteligível, o conhecimento é a forma inteligível do objeto. Por exemplo, ouvir um som (sensação em ato) identifica-se com o próprio som. Esta doutrina de Aristóteles irá dominar o curso ulterior da filosofia grega. Aristóteles disse que há seis formas de conhecimento: sensação, percepção, imaginação, memória, raciocínio e intuição. As cinco primeiras formas oferecem um conhecimento diferente da última, a intuição intelectual, esta é a única que possibilita o conhecimento do ‘Ser enquanto Ser’.
Goethe em versos expressou o modo como os filósofos antigos concebiam o conhecimento:

Se os olhos não fossem solares
Jamais o Sol nós veríamos;
Se em nós não estivessem a própria força divina,
Como o divino sentiríamos?

De acordo com estes versos, há algo por trás das coisas, há um substrato, uma essência das coisas, e em nós que possibilita o conhecimento das coisas que conhecemos.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s