Solucionando o Emaranhado de Valores: Dogmatismo

Blog 1

Há uma grande variedade de intenções e valores; há diversas culturas e temperamentos. Cada um de nós busca valores diferentes e, alguns, semelhantes. Todos nós detestamos ser obrigados a conviver com pessoas que defendem determinado valor; caso isso ocorra tendemos a atacar os valores indesejáveis. Se um homem possuir uma educação bastante extravagante, falsa e ilusória, ele acreditará num e noutro valor diferentes dos usuais e aceitos, correndo o risco de cometer crimes absurdos.

Para tranquilizar os indecisos, de tempos em tempos, aparecem ideólogos que defendem (não sei se acreditam) a vigência de uma única forma de verdade. Conforme essa crença, algumas pessoas especiais (religiosos, estadistas, juristas e curandeiros famosos e carismáticos) sabem as respostas certas para os grandes problemas da humanidade, como se deve ou não casar; quantos filhos ter; sempre usar camisinha; ir ao dentista e médico; não fumar; onde morar; que profissão deve escolher, etc.

Por isso, elas, as dotadas de clarividência, devem comandar os que desconhecem os maravilhosos caminhos que só elas tiveram e têm acesso. Portanto, esses líderes (chefes, ditadores, intelectuais e muitos médicos) para essa crença devem ser obedecidos, pois somente eles sabem como a sociedade deve ser organizada, como a vida de Maria ou de José deve ser vivida e como a cultura deve ser desenvolvida.

Essa é a antiga crença platônica dos reis-filósofos que tinham o direito de dar ordens aos outros. Sempre apareceram pensadores dispostos a defender que, se os cientistas – ou pessoas cientificamente treinadas – pudessem ser encarregados das coisas, o mundo seria imensamente melhorado; esses faziam ou fazem parte do grupo escolhido. No mínimo melhorado para eles. Essa suposição tem falhado.

Os “ismos” e os modelos perigosos do dogmatismo

Antigamente alguns homens e algumas mulheres foram entregues ao sacrifício a uma variedade de deuses. Mais recentemente, no lugar de sacrifícios semelhantes, a era moderna gerou novos ídolos, pelos quais podemos sacrificar pessoas: os deuses “ismos”.

Todos nós, atualmente, criticamos os indivíduos que causam dor, matam ou torturam outros. Essas condutas têm sido, em geral, condenadas. Estranhamente, esses mesmos atos, se não são feitos para meu ou seu beneficio pessoal, mas sim por um “ismo” qualquer, como o socialismo, nacionalismo, fascismo, comunismo, racismo, heroísmo, brasileirismo, sanismo, catolicismo, protestantismo, heroísmo, mensalismo, banditismo ou uma crença qualquer fanaticamente adotada, então, todos esses atos, antes condenados, tornam-se aceitos, adequados, naturais, reais e corretos, sendo, por isso, incentivados.

A maioria dos revolucionários ou o político fanático que apenas vê um lado do problema acredita, secreta ou abertamente, que para criar o mundo ideal imaginado pelo grupo, ele pode e, talvez, precise sacrificar todos os que impedem a passagem do caminho imaginado e perfeito. Para esses videntes, alguns precisam ser extirpados para o sucesso do plano salvador (da Instituição da qual ele faz parte e, talvez, chefie). Lamentavelmente, a história mostra que muitos foram mortos, outros aprisionados, mas a comunidade perfeita nunca ficou pronta. A outra geração iria aproveitá-la, segundo os revolucionários, mas passa uma, duas e três gerações e outros homens que pensam diferente são ignorados ou destruídos sem que haja a realização do milagre apregoado.

Essa é uma das afirmações do dogmatismo ou monismo desenfreado (uma só idéia), que alguns chamam de fanatismo. O monismo está na raiz de todo o extremismo; só uma idéia defendida é a certa e devemos combater com vigor a diferente da defendida. Muitos médicos adotam esse dogma. Eles conhecem apenas um modo de melhorar a vida do cliente: receitando-lhe remédios ou fazendo cirurgias. Nada mais é preciso. Os religiosos e os políticos fanáticos pregam idéias semelhantes. A vida agradável pode ser obtida obedecendo a esses princípios simples, mas a vida de cada homem é muito mais complicada que reduzir o colesterol, frequentar a Igreja, orar, torcer pelo Brasil na Copa, votar no Lula, dormir bem, não fumar e transar somente fazendo uso de camisinha.

Galeno Alvarenga

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s