Pitágoras

Quem foi

Pitágoras foi um importante matemático e filósofo grego. Nasceu no ano de 570 a .C na ilha de Samos, na região da Ásia Menor (Magna Grécia). Provavelmente, morreu em 497 ou 496 a.C em Metaponto (região sul da Itália). Embora sua biografia seja marcada por diversas lendas e fatos não comprovados pela História, temos dados e informações importantes sobre sua vida.

Com 18 anos de idade, Pitágoras já conhecia e dominava muitos conhecimentos matemáticos e filosóficos da época. Através de estudos astronômicos, afirmava que o planeta Terra era esférico e suspenso no Espaço (idéia pouco conhecida na época). Encontrou uma certa ordem no universo, observando que as estrelas, assim como a Terra, girava ao redor do Sol.

Recebeu muita influência científica e filosófica dos filósofos gregos Tales de Mileto, Anaximandro e Anaxímenes.

Enquanto visitava o Egito, impressionado com as pirâmides, desenvolveu o famoso Teorema de Pitágoras. De acordo com este teorema é possível calcular o lado de um triângulo retângulo, conhecendo os outros dois. Desta forma, ele conseguiu provar que a soma dos quadrados dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa.

Atribui-se também a ele o desenvolvimento da tábua de multiplicação, o sistema decimal e as proporções aritméticas. Sua influência nos estudos futuros da matemática foram enormes, pois foi um dos grandes construtores da base dos conhecimentos matemáticos, geométricos e filosóficos que temos atualmente.

Principais filósofos da Escola Pitagórica:

– Filolau de Crotona
– Temistocleia
– Arquitas de Tarento
– Alcmeão de Crotona
– Melissa

Alguns pensamentos (frases) de Pitágoras:

– Não é livre quem não consegue ter domínio sobre si.

– Todas as coisas são números.

– Aquele que fala semeia; aquele que escuta recolhe.

– Com ordem e com tempo encontra-se o segredo de fazer tudo e tudo fazer bem.

– Educai as crianças e não será preciso punir os homens.

– A melhor maneira que o homem dispõe para se aperfeiçoar, é aproximar-se de Deus.

– A Evolução é a Lei da Vida, o Número é a Lei do Universo, a Unidade é a Lei de Deus.

– Ajuda teus semelhantes a levantar a carga, mas não a carregues.

 

Feitos de Pitágoras

Pitágoras percorreu por 30 anos o Egito, Babilônia, Síria, Fenícia e talvez a Índia e a Pérsia, onde acumulou ecléticos conhecimentos: astronomia, matemática, ciência, filosofia, misticismo e religião. Ele foi contemporâneo de Tales de Mileto, Buda, Confúcio e Lao-Tsé.

Quando retornou a Samos, indispôs-se com o tirano Polícrates e emigrou para o sul da Itália, na ilha de Crotona, de dominação grega. Aí fundou a Escola Pitagórica, a quem se concede a glória de ser a “primeira Universidade do mundo”.

A Escola Pitagórica e as atividades se viram desde então envoltas por um véu de lendas. Foi uma entidade parcialmente secreta com centenas de alunos que compunham uma irmandade religiosa e intelectual. Entre os conceitos que defendiam, destacam-se:

prática de rituais de purificação e crença na doutrina da metempsicose, isto é, na transmigração da alma após a morte, de um corpo para outro. Portanto, advogavam a reencarnação e a imortalidade da alma;

lealdade entre os membros e distribuição comunitária dos bens materiais;

austeridade, ascetismo e obediência à hierarquia da Escola;

proibição de beber vinho e comer carne (portanto é falsa a informação que os discípulos tivessem mandado matar 100 bois quando da demonstração do denominado Teorema de Pitágoras);

purificação da mente pelo estudo de Geometria, Aritmética, Música e Astronomia;

classificação aritmética dos números em pares, ímpares, primos e fatoráveis;

“criação de um modelo de definições, axiomas, teoremas e provas, segundo o qual a estrutura intrincada da Geometria é obtida de um pequeno número de afirmações explicitamente feitas e da ação de um raciocínio dedutivo rigoroso” (George Simmons);

grande celeuma instalou-se entre os discípulos de Pitágoras a respeito da irracionalidade do ‘raiz de 2’. Utilizando notação algébrica, os pitagóricos não aceitavam qualquer solução numérica para x² = 2, pois só admitiam números racionais. Dada a conotação mística atribuída aos números, comenta-se que, quando o infeliz Hipasus de Metapontum propôs uma solução para o impasse, os outros discípulos o expulsaram da Escola e o afogaram no mar;

na Astronomia, idéias inovadoras, embora nem sempre verdadeiras: a Terra é esférica, os planetas movem-se em diferentes velocidades nas várias órbitas ao redor da Terra. Pela cuidadosa observação dos astros, cristalizou-se a idéia de que há uma ordem que domina o Universo;

aos pitagóricos deve-se provavelmente a construção do cubo, tetraedro, octaedro, dodecaedro e a bem conhecida “seção áurea”;

na Música, uma descoberta notável de que os intervalos musicais se colocam de modo que admitem expressões através de proporções aritméticas. Pitágoras – assim como outros filósofos gregos pré-socráticos – também descreveu o poder do som e seus efeitos sobre a psique humana. Essa experiência musicoterápica possivelmente foi utilizada mais tarde por Aristóteles como base teórica para sua definição de música, que, segundo ele, era uma “arte medicinal”.

Pitágoras é o primeiro matemático puro. Entretanto é difícil separar o histórico do lendário, uma vez que deve ser considerado uma figura imprecisa historicamente, já que tudo o que dele sabemos deve-se à tradição oral. Nada deixou escrito, e os primeiros trabalhos sobre o mesmo deve-se a Filolau, quase 100 anos após a morte de Pitágoras. Mas não é fácil negar aos pitagóricos – assevera Carl Boyer – “o papel primordial para o estabelecimento da Matemática como disciplina racional”. A despeito de algum exagero, há séculos cunhou-se uma frase: “Se não houvesse o ‘teorema Pitágoras’, não existiria a Geometria”.

Ao biografar Pitágoras, Jâmblico (c. 300 d.C.) registra que o mestre vivia repetindo aos discípulos: “todas as coisas se assemelham aos números”.

A Escola Pitagórica ensejou forte influência na poderosa verba de Euclides, Arquimedes e Platão, na antiga era cristã, na Idade Média, na Renascença e até em nossos dias com o Neopitagorismo.

Pensamentos de Pitágoras

Educai as crianças e não será preciso punir os homens.

Não é livre quem não obteve domínio sobre si.

Pensem o que quiserem de ti; faz aquilo que te parece justo.

O que fala semeia; o que escuta recolhe.

Ajuda teus semelhantes a levantar a carga, mas não a carregues.

Com ordem e com tempo encontra-se o segredo de fazer tudo e tudo fazer bem.

Todas as coisas são números.

A melhor maneira que o homem dispõe para se aperfeiçoar, é aproximar-se de Deus.

A Evolução é a Lei da Vida, o Número é a Lei do Universo, a Unidade é a Lei de Deus.

A vida é como uma sala de espetáculos: entra-se, vê-se e sai-se.

A sabedoria plena e completa pertence aos deuses, mas os homens podem desejá-la ou amá-la tornando-se filósofos.

Anima-te por teres de suportar as injustiças; a verdadeira desgraça consiste em cometê-las

Os Versos de Ouro de Pitágoras

Os Versos de Ouro da tradição pitagórica constituem um documento de valor inestimável. Este texto breve e único é um mapa preciso do caminho prático para a sabedoria divina.

 

É verdade que o documento tem sido mantido em um relativo esquecimento, como tantos outros que pertencem à sabedoria tradicional do ocidente. Mas isso só aumenta o valor da sua descoberta pessoal por parte do leitor. Por outro lado, o significado desse texto brilha hoje  dentro de um contexto maior, pelo qual as filosofias clássicas grega e romana vêm, desde o século 20, recuperando gradualmente a sua visibilidade e a sua popularidade.

 

Traduzo os Versos a partir do texto de Hierocles de Alexandria , com base na versão inglesa feita por N. Rowe em 1707, e adotada hoje pela maior parte dos estudiosos da tradição pitagórica. Examinei outras versões dos Versos, em vários idiomas, mas opto por essa versão de Hierocles em inglês, cotejada, em alguns casos, com a de Fabre d’Olivet. Acrescento comentários e informações adicionais com base na filosofia clássica e na filosofia esotérica.

 

Os Versos de Ouro expressam em poucas palavras e com uma clareza definitiva o compromisso de vida dos pitagóricos de todos os tempos. Sua mensagem será provavelmente tão atual dentro de  20 ou 25 séculos como era na Grécia e na Roma antigas. Por outro lado, durante a complexa transição atual para uma civilização planetária e democrática, os Versos apontam e sinalizam impecavelmente o caminho da autoregeneração de cada indivíduo, que constitui a base fundamental para um renascimento coletivo da sabedoria no futuro a médio prazo.

 

A seguir, pois, um texto imortal, que se pode e deve ler e reler muitas vezes ao longo do tempo. É um mapa, um guia e um tratado completo sobre a vida dos sábios.

 

1. Honra em primeiro lugar os deuses imortais, como manda a lei.

 

Os deuses ou espíritos imortais são os grandes instrutores da humanidade, os Adeptos mencionados na literatura teosófica clássica, os grandes Rishis da Índia antiga e os Imortais da tradição taoísta. Esotericamente, a lei referida aqui é a lei da evolução, que guia simultaneamente o cosmo e cada ser que vive nele.

 

Mas, de acordo com o ponto de vista de Fabre d’Olivet, o Verso fala da lei e dos costumes do país em que se vive. Assim, até para evitar perseguições em tempos de intolerância, o praticante dos Versos de Ouro pode adotar qualquer religião externa, adaptando-se à cultura em que nasceu, enquanto  segue internamente a doutrina esotérica dos pitagóricos.

 

2. A seguir, reverencia o juramento que fizeste.

 

A decisão de buscar a verdade, manifestada através de um juramento ou voto espiritual, é uma expressão dinâmica da nossa conexão interior com o mundo divino. Daí sua importância, a ponto de ser colocada na abertura dos Versos de Ouro. Este juramento, no seu aspecto mais profundo, é  simplesmente a decisão, tomada em nosso próprio coração, de seguir o caminho da sabedoria. (O juramento dos pitagóricos é discutido com mais detalhes no Verso 48.)

 

3. Depois os heróis ilustres, cheios de bondade e luz.

 

Os heróis ilustres são seres de alto grau de evolução, embora ainda não tenham chegado à libertação espiritual alcançada pelos  Adeptos ou Imortais.

 

4. Homenageia então os espíritos terrestres, e manifesta por eles o devido respeito.

 

Os espíritos terrestres são os homens bons e sábios.

 

5. Honra em seguida a teus pais, e a todos os membros da tua família.

 

Cumprir os deveres familiares e ter um comportamento equilibrado no plano emocional garante uma boa parte da tranqüilidade básica necessária à busca da sabedoria divina. O desapego é igualmente importante. Um instrutor espiritual dos Himalaias escreveu no século 19 para um discípulo leigo, Alfred Sinnett: “Parece pouco a você que o ano anterior tenha sido empregado apenas em seus ‘deveres familiares’? Não; que melhor causa para recompensa, que melhor disciplina que o cumprimento do dever a cada hora e a cada dia? Creia-me, meu ‘aluno’,  o homem ou a mulher que é colocado pelo Carma no meio de deveres, sacrifícios e amabilidades pequenos e definidos irá, através do fiel cumprimento deles, erguer-se à dimensão maior do Dever, do Sacrifício e da Caridade para com toda a humanidade. Que melhor caminho, para a iluminação buscada por você,  que a vitória diária sobre o Eu, a perseverança apesar da ausência de progresso psíquico visível, o suportar da má-sorte com aquela serena resistência que a transforma em vantagem espiritual – já que o bem e o mal não podem ser medidos por acontecimentos no plano inferior ou físico?”

 

6. Entre todos os outros, escolhe como amigo aquele que se distingue por sua virtude.

 

Na sua obra intitulada “Ditos e Feitos Memoráveis de Sócrates”, Xenofonte conta como Sócrates ensinou a Cristóbulo a arte de afastar-se de homens ignorantes. Ao terminar sua exposição, o sábio aconselha:  “Fica tranqüilo, Cristóbulo: procura fazer-te bom e, uma vez bom, põe-te à caça dos corações virtuosos.”

 

7. Aproveita sempre suas suaves exortações, e segue o exemplo das suas ações virtuosas e úteis.

 

8. Mas evita, tanto quanto possível, afastar-te do teu amigo por um pequeno erro.

 

9. Porque a força é limitada pela necessidade.

 

Hierocles comenta: “É para o nosso benefício mútuo que a lei da amizade nos une, para que os nossos amigos possam ajudar-nos a crescer em virtude, e para que nós possamos, reciprocamente, ajudá-los em seu progresso nesse sentido. Porque, como companheiros de viagem no caminho que leva a uma vida melhor, nós deveríamos, para nosso proveito comum, transmitir a eles as coisas boas que possamos descobrir, talvez com mais clareza que eles.” E Hierocles faz uma advertência: “Há apenas uma coisa que não devemos aceitar em um amigo, que é que ele caia em um comportamento corrupto”. Nesse ponto, como sempre, valem mais os atos que as palavras. Mas, acrescenta Hierocles, nessa situação “não devemos vê-lo como inimigo, porque já foi nosso amigo, nem devemos vê-lo como nosso amigo, por causa do seu comportamento decadente”.

 

10. Lembra que todas essas coisas são como eu te disse.

 

11. Mas acostuma-te a vencer essas paixões: primeiro, a gula; depois a preguiça, a luxúria e a raiva.

 

Segundo Hierocles, “essas são as paixões que devemos restringir e manter dominadas, para que elas não possam descompor e obstruir a nossa razão.”

 

12. Nunca faças junto com outros, nem sozinho, algo que te dê vergonha.

 

13. E, sobretudo, respeita a ti mesmo.

 

Os versos 12 e 13 recomendam duas coisas inseparáveis: a auto-restrição e o auto-respeito, ou, em outras palavras, a abstenção do erro e a auto-estima. De fato, só com respeito por nós mesmos –  um sentimento que na verdade é amor pelo que há de mais puro e  elevado em nós – podemos ter uma suave disciplina não-repressiva que nos permite abster-nos daquilo que sabemos que é errado.

 

14. Pratica a justiça com teus atos e com tuas palavras.

 

15. E estabelece o hábito de nunca agir impensadamente.

 

16. Mas lembra sempre um fato, o de que o destino estabelece que a morte virá a todos;

 

17. E que as coisas boas do mundo são incertas, e assim como podem ser conquistadas, podem ser perdidas.

 

18. Suporta com paciência e sem murmúrios a tua parte, seja qual for,

 

19. Dos sofrimentos que o destino determinado pelos deuses lança sobre os seres humanos.

 

Temos aqui as idéias centrais adotadas mais tarde pelos filósofos estóicos. O filósofo-imperador neoestóico Marco Aurélio recomendava: “Vive cada dia da tua vida como se fosse o último”. Os estóicos construíram sua filosofia sobre a idéia da indiferença diante da dor e do prazer externos e de curto prazo. Essa regra básica da arte de viver ocupa lugar central em Sócrates, Platão, e muitos outros filósofos, para não falar em tradições orientais como Raja Ioga e  outras.

 

Em relação ao Verso 19, Platão escreve em A República que “Deus” –  que para os gregos é a pluralidade estrutural do mundo divino, a idéia universal – nunca é o causador dos sofrimentos de alguém.  Ali, Platão faz Sócrates afirmar: “Deus não é a causa de tudo, mas tão-somente do bem”. Estaria, então, equivocado o Verso 19? Não. O Verso não é fatalista. O “destino determinado pelos deuses” e que é lançado sobre o ser humano foi criado pelo próprio homem. Os “deuses”, as inteligências divinas em seu funcionamento coletivo, apenas ordenam e organizam, natural e espontaneamente, o carma ou destino que a própria humanidade cria para si. Por isso é errado rezar ou pedir favores a deuses ou seres divinos. A solução prática é agir bem e acertadamente, esperando que o bom carma amadureça para que os seus resultados possam ser colhidos. No entanto, as orações são úteis sempre que servem para que o nosso pensamento se erga acima das angústias. O pensamento positivo dá bons frutos, e embora as orações não tenham valor como pedidos, elas funcionam como mecanismos de elevação da consciência.

 

20. Mas esforça-te por aliviar a tua dor no que for possível,

 

21. E lembra que o destino não manda muitas desgraças aos bons.

 

O destino, como vimos,  é o carma, isto é, o encadeamento de ações e reações da vida. O carma, diz o verso 21, não manda muitas desgraças aos bons. Está correto. Porém, a vida é complexa, e é oportuno lembrar uma advertência de Helena Blavatsky, que escreveu o seguinte em 1883: “O chela” – isto é, o aprendiz da sabedoria eterna – “é levado a enfrentar não só todas as más propensões latentes em sua natureza, mas, por acréscimo, todo o conjunto de poder maléfico acumulado pela comunidade e nação a que ele pertence. Porque ele é uma parte integral daqueles agregados, e tudo o que afeta tanto o homem individual como o grupo (cidade ou nação) reage um sobre o outro. Nesta instância a luta pela bondade destoa do conjunto da maldade em seu meio ambiente, e atrai sua fúria sobre si.”

 

Esse parece ser o motivo pelo qual grande quantidade de seres que trabalharam pela regeneração humana foram severamente perseguidos, ou pelo menos incompreendidos, em seu tempo. Entre eles estão Sócrates, Pitágoras, Apolônio de Tiana, São Francisco de Assis, São João da Cruz,  Martim Lutero, Mahatma Gandhi, Alessandro Cagliostro  e a própria Helena Blavatsky. E foram milhares. A vida de Jesus, no Novo Testamento, simboliza e retrata esse mesmo processo. Porém, é central o  fato de que, sendo bons, eliminamos as fontes e a causa do nosso sofrimento. E isso ocorre mesmo que, a curto prazo, haja desafios e dificuldades. Não é por acaso que o caminho da libertação espiritual passa pelo desapego e pela indiferença à dor e ao prazer.

 

Esse verso também sugere que, se formos bons e altruístas, teremos uma quota de felicidade. Mas essa felicidade será predominantemente interior e não surgirá de uma vida externamente prazenteira ou indulgente.

 

22. O que as pessoas pensam e dizem varia muito; agora é algo bom, em seguida é algo mau.

 

23. Portanto, não aceites cegamente o que ouves, nem o rejeites de modo precipitado.

 

24. Mas, se forem ditas falsidades, retrocede suavemente e arma-te de paciência.

 

25. Cumpre fielmente, em todas as ocasiões, o que te digo agora:

 

26. Não deixes que ninguém, com palavras ou atos,

 

27. Te leve a fazer ou dizer  o que não é melhor para ti.

 

28. Pensa e delibera antes de agir, para que não cometas ações tolas,

 

Um raja iogue dos Himalaias escreveu, no século 19, em uma carta para sua discípula ocidental Laura C. Holloway: “Como você pode discernir o real do irreal, o verdadeiro do falso? Só através do autodesenvolvimento. Como conseguir isso? Primeiro, precavendo-se contra as causas do auto-engano. E isso você pode fazer dedicando-se, em determinada hora ou horas fixas, a cada dia, totalmente só, à autocontemplação, a escrever, a ler, a purificar suas motivações, a estudar e corrigir seus erros, ao planejamento do seu trabalho na vida externa. Essas horas deveriam ser reservadas como algo sagrado e ninguém, nem mesmo o seu amigo ou seus amigos mais íntimos, deveria estar com você naquele momento. Pouco a pouco sua visão ficará clara, você descobrirá que as névoas se dissipam (…).”

 

29. Porque é próprio de um homem miserável agir e falar de modo impensado.

 

A expressão “homem miserável” significa aqui “homem que sofre”, um ser que passa por misérias.

 

30. Mas faze aquilo que não te trará aflições mais tarde, e que não te causará arrependimento.

 

31. Não faças nada que sejas incapaz de entender,

 

32. Mas aprende tudo o que for necessário aprender, e desse modo terás uma vida feliz.

 

33. Não esqueças de modo algum a saúde do corpo,

 

Uma espiritualidade empobrecida e estreita,  baseada em crenças cegas e  cerimônias, acabou provocando na cultura ocidental um tradicional desprezo pelo corpo, como se só o espírito fosse bom e a “carne” fosse má. Esse grave erro tem levado à visão do caminho espiritual como algo distanciado da prática concreta. Para a sabedoria eterna, como para a filosofia clássica, o corpo é o templo habitado pelo espírito, e deve ser tratado com respeito e consideração. Matéria, energia e espírito são três aspectos da mesma Vida Una . Assim, o corpo é um instrumento prático para vivenciar e expressar o que é sagrado.

 

34. Mas dá a ele alimento com moderação, o exercício necessário e também repouso à tua mente.

 

Aqui parece ter havido uma contaminação do texto ao longo do tempo. Na versão disponível atribuída a Hierocles, lemos, literalmente: “Mas dá a ele bebida e carne na medida certa, e também o exercício que ele necessita”. Na verdade, sabe-se que as comunidades pitagóricas eram vegetarianas. Como a menção a consumo de carne está fora de contexto, opto, em parte, pela versão de Fabre d’Olivet, que diz, literalmente: “Dá, com moderação, alimento ao corpo, e à mente repouso”.

 

35. O que quero indicar com a palavra moderação é aquilo que não te provocará mal-estar.

 

Os extremos devem ser evitados. Essa é uma menção ao caminho do meio e ao avanço gradual a ser realizado pelo aprendiz, sem pressa e sem pausa.

 

36. Acostuma-te a uma vida decente e pura, sem luxúria.

 

37. Evita todas as coisas que causarão inveja.

 

Isso nem sempre é possível para o aprendiz.  Até mesmo a bondade e a sinceridade de alguém podem ser motivos de inveja – por exemplo, por parte daqueles que decidiram fazer ouvidos surdos à sua própria consciência. Aquele que optou pela astúcia pode sofrer agudamente  ao ver as ações corretas e as motivações puras de alguém que escuta a voz do coração. Um tal indivíduo poderá invejar e atacar o aprendiz da sabedoria, tentando legitimar e confirmar desse modo, para si mesmo e para os outros, a sua decisão de abandonar como algo “impossível” ou “utópico”, a prática da sinceridade. Veja, a propósito, o comentário ao Verso 21. Porém, a cautelosa recomendação do Verso 37 é fundamental. Servirá para reduzir em boa parte os sofrimentos no caminho do aprendizado.

 

38. E não cometas exageros no uso de bens materiais. Vive como alguém que sabe o que é honrado e decente.

 

39. Não ajas movido pela cobiça ou avareza. É excelente usar a justa medida em todas essas coisas.

 

40. Faze apenas as coisas que não podem ferir-te, e decide antes de fazê-las.

 

Os princípios da conduta pitagórica devem ser ponderados uma e outra vez, até que sejam absorvidos em cada um dos níveis de consciência e nas práticas da rotina diária do aprendiz. Os caminhantes espirituais gradualmente se transformam, eles mesmos,  na verdade universal que é tema do seu estudo e da sua contemplação. Por isso os Versos 38 a 40 reforçam duas  idéias fundamentais sugeridas antes: agir moderadamente e nunca atuar de modo impensado.  Segundo o Verso 40, devemos antecipar mentalmente as conseqüências das nossas ações e evitar aquilo que nos causará mais mal do que bem. Quase toda ação causa efeitos contraditórios, alguns agradáveis, outros desagradáveis. Há ações altruístas, por exemplo, que implicam um grau de sacrifício relativamente alto a curto ou a médio prazo. Mas o saldo das ações deve ser positivo a longo prazo. E a decisão a respeito delas deve ser soberana.

 

41. Ao deitares, nunca deixes que o sono se aproxime dos teus olhos cansados,

 

42. Enquanto não examinares com a tua consciência mais elevada todas as tuas ações do dia.

 

43. Pergunta: “Em que errei? Em que agi corretamente? Que dever deixei de cumprir?”

 

44. Recrimina-te pelos teus erros, alegra-te pelos acertos.

 

Cada dia da vida é a imagem em miniatura de uma vida inteira. Pela manhã cedo temos a vitalidade de uma criança, e à noite sentimos o cansaço de alguém que é muito velho. A revisão pitagórica nos permite avaliar o carma plantado e o carma colhido durante aquele dia. Desse modo podemos dormir mais completa e profundamente, e com a consciência em paz. O estudante da sabedoria esotérica fica, assim, livre para o aprendizado que ocorre durante o sono do seu corpo físico. Porque, como se sabe, certos sonhos podem ser fonte importante de ensinamento espiritual.

 

O hábito da auto-observação previne alguns erros e corrige outros. Essa prática também prepara a revisão do passado que irá ocorrer na fase final da velhice, e mesmo no último minuto da nossa vida física. Essas revisões finais do conjunto da existência servem, por sua vez, para antecipar e definir o rumo geral da vida após a morte, inclusive os seus dois principais estágios, que são o kama-loka (etapa de purificação) e o devachan (etapa divina).

 

De modo semelhante, em pequena escala, a revisão ao final de cada dia ajuda a definir o rumo e a qualidade de tudo o que irá ocorrer durante o sono e até o novo despertar. Graças à revisão pitagórica do final do dia, cada nova manhã traz consigo uma vida mais livre do perigo de repetir os erros do passado, e mais aberta para o potencial ilimitado de felicidade que cada ser humano tem sempre diante de si.

 

45. Pratica integralmente todas essas recomendações. Medita bem nelas. Tu deves amá-las de todo coração.

 

46. São elas que te colocarão no caminho da Virtude Divina,

 

O termo virtude – areté, em grego – não é algo a ser cultivado superficial ou artificialmente, como pode ocorrer no contexto de certas teologias cristãs. Areté, explica Platão, é aquela atividade própria e específica de uma determinada coisa ou pessoa. A virtude de uma bibicleta é o movimento, a virtude de um peixe é nadar, e a virtude de um médico é curar. Assim, também, a virtude divina da alma humana é uma característica e uma vocação essencial da parte superior e racional do indivíduo. Ela é o dharma, o Tao, aquilo que surge naturalmente de uma alma imortal livre de apegos externos.

 

47. Eu o juro por aquele que transmitiu às nossas almas o Quaternário Sagrado,

 

48. A fonte da Natureza, cuja evolução é eterna.

 

O Quaternário Sagrado é a Tétrade ou tetraktys (em grego), o quatro sagrado pelo qual juravam os pitagóricos. “Aquele que transmitiu o Quaternário” é o Mestre, cujo nome se evitava pronunciar em vão. Esse era o juramento mais inviolável dos pitagóricos. O quaternário sagrado simbolizava a unidade que se mostra em quatro aspectos no mundo visível, e também o eu imortal em sua ação concreta.

 

Um certo quaternário sagrado aparece também nos escritos esotéricos e reservados de H.P. Blavatsky. É verdade que, ao escrever sobre a constituição oculta do ser humano, ela ensinou publicamente sobre o quaternário inferior e mortal e a tríade imortal. Nesse seu primeiro esquema, o quaternário mortal é constituído de: 1)Sthula-sharira (corpo físico), 2) Prana (princípio vital), 3) Linga-sharira (modelo sutil ou arquétipo usado pela vitalidade, o que inclui a herança genética do indivíduo), e 4) Kama (o centro dos sentimentos animais). Já a tríade imortal é formada por 5) Manas (mente), 6) Buddhi (inteligência espiritual) e 7) Atma (o princípio supremo). Esse enfoque permite ao estudante uma primeira aproximação do tema.

 

Porém, escrevendo para seus alunos esotéricos em um texto que só foi publicado após sua morte, H.P. Blavatsky revelou um outro esquema setenário, traçado do ponto de vista da energia superior. Nele, há um quaternário sagrado e uma tríade inferior. Desse ponto de vista o quaternário é formado por 1) Ovo Áurico (aparece aqui a aura imortal), 2) Atma, 3) Buddhi  e 4) Manas; e há uma tríade inferior com 5) Kama, 6) Linga-sharira e 7) Prana. O corpo físico, Sthula-sharira, não aparece nesse segundo esquema.

 

A tétrade sagrada dos pitagóricos parece ter sido conhecida também pelos chineses. Geometricamente, a sua apresentação é  a seguinte:

   .

                            .      .

                         .      .     .

                      .     .       .     .

A primeira linha da figura representa a unidade e o divino. A segunda linha, a dualidade e a materialidade. A terceira linha significa a tríade, o eu imortal em evolução, que reúne em si a unidade e a dualidade. E a quarta linha simboliza a tétrade ou perfeição, que expressa a vacuidade e a plenitude. Presente na figura está também a década, ou dez, a soma total dos pontos, que simboliza o cosmo.

Desse modo, o quaternário sagrado pelo qual juravam os pitagóricos significa: 1) o conjunto dinâmico e cíclico da unidade divina; 2) o processo da manifestação do mundo divino na matéria;  e 3) o cosmo que tudo contém.

 

49. Nunca comeces uma tarefa antes de pedir a bênção e a ajuda dos Deuses.

 

Essa prática é recomendada em diferentes tradições religiosas orientais e ocidentais. Na França do século 17, por exemplo, o irmão Lawrence, usando a técnica da presença divina, orava, ao começar cada tarefa: “Oh, ser divino, já que você está comigo, e que para cumprir meu dever devo agora concentrar minha mente em uma tarefa concreta, peço-lhe a graça de continuar em Sua Presença. E peço que, para isso, Você lance sobre mim a bênção da Sua ajuda, receba os frutos do meu trabalho, e seja o proprietário de todas as minhas afeições.”

 

50. Quando fizeres de tudo isso um hábito,

 

51. Conhecerás a natureza dos deuses imortais e dos homens,

 

52. Verás até que ponto vai a diversidade entre os seres, e também aquilo que os reúne em si e os coloca em unidade uns com os outros.

 

53. Verás então, de acordo com a Justiça, que a substância do Universo é a mesma em todas as coisas.

 

“De acordo com a Justiça”, isto é, “na medida dos teus méritos”. A palavra justiça, neste caso, significa a lei do carma. A vida recebe de cada um conforme a sua possibilidade, e dá a cada um conforme os seus méritos. A cada ação corresponde uma reação igual, no sentido inverso: “quem planta, colhe”. O fato de que a substância do Universo é a mesma em todas as partes, mencionado no Verso 53, também expressa a Lei da Justiça e do Equilíbrio Universal. O filósofo pitagórico Thomas Stanley escreveu em sua obra sobre a vida e os ensinamentos de Pitágoras que há uma amizade universal unindo todos os seres e todas as coisas. E um Mestre de Sabedoria escreveu em uma das suas Cartas: “A Natureza uniu todas as partes do seu Império por meio de fios sutis de simpatia magnética, e há uma relação mútua até mesmo entre uma estrela e o homem”

 

54. Desse modo não desejarás o que não deves desejar, e nada nesse mundo será desconhecido de ti.

 

A felicidade não consiste em ter o que se deseja, mas em não desejar o que não é adequado. Os desejos pessoais distorcem a realidade  e mantêm o ser humano na ignorância. Uma das definições de nirvana, o estado de êxtase e de libertação espiritual, é “ausência total de desejos”. Essa é a porta que leva à lucidez ilimitada do sábio, através da qual ele se conecta com a força do cosmo.

 

55. Perceberás também que os homens lançam sobre si mesmos suas próprias desgraças, voluntariamente e por sua livre escolha.

 

56. Como são infelizes! Não vêem, nem compreendem que o bem deles está a seu lado.

 

57. Poucos sabem como libertar-se dos seus sofrimentos.

 

58. Esse é o peso do destino que cega a humanidade.

 

O peso do destino é o aspecto negativo do carma humano; a carga acumulada de erros cometidos pela humanidade. O chamado carma positivo, ao contrário, é o peso da carga acumulada dos acertos humanos. Os santos e sábios defendem a humanidade das conseqüências mais graves dos seus próprios erros – como se ela fosse uma criança – ao mesmo tempo que orientam sua evolução. E poucos poderiam duvidar de que a humanidade está em uma etapa relativamente infantil do seu desenvolvimento espiritual.

 

59. Como grandes cilindros, os seres humanos rolam para lá e para cá, sempre oprimidos por sofrimentos intermináveis,

 

60. Porque são acompanhados por uma companheira sombria, a desunião fatal entre eles, que os lança para cima e para baixo sem que percebam.

 

Um ensinamento básico e central da tradição esotérica é o da unidade e da fraternidade universal de todos seres.

 

A propósito dos versos 59 e 60, Fabre d’Olivet contribui com a seguinte imagem: “indefesos e  arrastados pelas paixões, lançados  para lá e para cá por ondas adversas em um oceano sem praias, eles rolam sem nada ver, incapazes de resistir ou de ceder à tempestade”.

 

61. Trata, discretamente, de nunca despertar desarmonia, mas foge dela!

 

Uma formulação mais estritamente literal deste Verso, na versão de Hierocles, seria: “Ao invés de provocar e estimular a desunião, eles deveriam evitá-la cedendo espaço.”

 

Mas é oportuno destacar que há  pelo menos dois tipos de união ou harmonia. Existe uma harmonia aparente, mantida como fachada para evitar e reprimir a liberdade e a independência natural dos seres; e há outra harmonia interior, de coração, que é capaz de identificar, respeitar e preservar as diferenças naturais entre os seres. Essa verdadeira harmonia não é sinônimo de uniformidade externa, mas nasce de uma relação criativa e positiva entre seres e possibilidades diferentes.

 

62. Oh, Grande Zeus,  pai dos homens, você os livraria de todos os males que os oprimem, se você mostrasse a cada um o Espírito que é seu guia.

 

O Espírito que guia cada ser humano é o seu próprio eu imortal, também chamado de mônada, Atma, ou Atma-Buddhi.

 

63. Porém, tu não deves ter medo, porque os homens pertencem a uma raça divina,

 

De fato, tanto a origem como o destino da nossa humanidade são divinos. Luz no Caminho, um clássico da literatura esotérica, afirma: “A alma humana é imortal e seu futuro é o futuro de algo cujo crescimento e esplendor não têm limites”.

 

64. E a natureza sagrada revelará a eles os mistérios mais ocultos.

 

65. Se ela comunicar a ti os seus segredos, colocarás em prática, com facilidade, todas as coisas que te recomendo.

 

Quando a disciplina espiritual nos parece difícil, isso ocorre porque ainda não compreendemos bem a realidade da vida. A verdade é que a ausência de disciplina traz dificuldades muito maiores.

 

66. E ao curar a tua alma a libertarás de todos esses males e sofrimentos.

 

67. Mas evita as comidas pouco recomendáveis para a purificação.

 

68. E a libertação da alma; usa um claro discernimento em relação a elas, e examina bem todas as coisas,

 

69. Buscando sempre guiar-te pela compreensão divina que tudo deveria orientar.

 

70. Assim, quando abandonares teu corpo físico e te elevares no mais puro éter,

 

O éter é um dos níveis inferiores do Akasha, a substância primordial ou Luz Astral. E a recíproca é verdadeira: “O akasha (palavra sânscrita) é a síntese do éter, é o éter superior”, diz Helena Blavatsky. No contexto específico do Verso 70, éter significa o mundo da luz astral, as condições da vida após a morte, que são determinadas pelo carma produzido em vida.

 

71. Serás divino, imortal, incorruptível, e a morte não terá mais poder sobre ti.

 

Este Verso final simboliza não só o momento em que se alcança a sabedoria em termos gerais, mas também a conquista da libertação espiritual, o adeptado – a condição de um Mahatma, um Buda, um Arhat, um Rishi ou Imortal. Nesse estágio a alma conhece o Nirvana e não tem mais necessidade de renascer

Pitágoras e a Música

Nenhum músico teve tanta importância no período clássico quanto Pitágoras. Conforme conta a lenda, Pitágoras foi guiado pelos deuses na descoberta das razões matemáticas por trás dos sons depois de observar o comprimento dos martelos dos ferreiros. A ele é creditada a descoberta do intervalo de uma oitava como sendo referente a uma relação de frequência de 2:1, uma quinta em 3:2, uma quarta em 4:3, e um tom em 9:8. Os seguidores de Pitágoras aplicaram estas razões ao comprimento de fios de corda em um instrumento chamado cânon, ou monocorda, e, portanto, foram capazes de determinar matematicamente a entonação de todo um sistema musical. Os pitagóricos viam estas razões como governando todo o Cosmos assim como o som, e Platão descreve na sua obra, Timeu, a alma do mundo como estando estruturada de acordo com estas mesmas razões. Para os pitagóricos, assim como para platão, a música tornou-se uma natural extensão da matemática, bem como uma arte. A matemática e as descobertas musicais de Pitágoras foram, desta forma, uma crucial influência no desenvolvimento da música através da idade média na Europa.

Teorema de Pitágoras:

Talvez a obra mais famosa de Pitágoras seja seu teorema, relacionando os lados de um triângulo retângulos.

” Num triângulo retângulo, o quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos.”

Os catetos são os lados que formam o ângulo reto e a hipotenusa é o lado maior do triângulo. Na figura seguinte, a e b são os catetos e h é a hipotenusa. Assim, podemos escrever a seguinte expressão:

 

Repara que com as partes coloridas dos quadrados construídos sobre os catetos (fig.1) é possível preencher totalmente o quadrado construído sobre a hipotenusa (fig.2), isto é, a área do quadrado da hipotenusa é igual à soma das áreas dos quadrados do catetos.

 

 

Um modo popular de enunciar o teorema de Pitágoras é o seguinte: A caminho de Siracusa disse Pitágoras aos seus netos, o quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos.

 

Os números Irracionais

Para os Pitagóricos, tudo era número, os números eram a essência das coisas. Como eles apenas conheciam os números racionais (naturais e fracções de naturais) foi com grande surpresa e choque que descobriraram que havia segmentos de recta cuja medida não pode ser expressa por um número racional. Essa descoberta é atribuida a um aluno de Pitágoras que tentava descobrir a medida da diagonal de um quadrado de lado 1.

 

Perante o problema de haver algo que não podia ser expresso pelos números que eles conheciam, os Pitagóricos ocultaram essa descoberta de modo a não macular a “perfeição” dos números.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s